Voltei!!!

Regressado do paraíso, ficam aqui algumas recordações, que transporto já com saudade, própria de quem ama muito, neste caso os Açores.
Baía de Porto de Pim, uma das praias mais bonitas do Faial


Vista do Porto da Horta, Monte da Guia e Monte Queimado. Há novas obras, para aumentar a capacidade de recepção de grandes navios...

Vulcão dos Capelinhos


E a chegada ao Pico, esse monumento natural...

Vista do Faial através das vinhas do Pico

Azáfama da vindima

Um dos vários moinhos de vento recuperados

Uvas prontas a seguirem para a adega

A simpática enóloga da Cooperativa Vitivinícola da Ilha do Pico, Maria Álvares, que proporcionou uma bela visita pelas instalações, seguida de prova dos seus néctares, muito bons por sinal.

Belíssimo jardim de Dragoeiros (Dracaena draco) no Núcleo do Museu do Vinho do Pico

Uma das dezenas de praias da ilha, entre rochas, carregadas de espécies de peixes por todo o lado

Visão deslumbrante a das Camarinhas (Corema album) no meio das rochas vulcânicas do Pico, mesmo junto ao mar. Bem mais rasteiras do que aquelas que se avistam no litoral do Continente, vivendo em areia. Saborosos os frutos e raras, muito raras.

Um encontro surpreendente com exemplares de Cedro do Mato (Juniperus brevifolia), planta endémica dos Açores, que surge normalmente acima dos 500 metros, podendo no Pico surgir mesmo acima dos 1500 metros. Aqui está ao nível do mar!!! Planta rara, que interessa proteger.


Feto (Cyrtomium falcatum) vivendo em fendas, junto ao mar


Aspecto do habitat das plantas descritas anteriormente



Este é o seu substrato. Impressionante...

Visita à Gruta das Torres, maior tubo lávico do país, desenvolvendo-se ao longo de 4480 metros, na sua maior parte de grandes dimensões, podendo atingir alturas de 15 metros, ao contrário dos túneis secundários laterais e superiores, com dimensões mais reduzidas. Uau...


Já em São Jorge, uma visão assombrosa da fajã dos cubres e da fajã da caldeira de santo cristo. De arrepiar.

A cor da água, que nunca deixa de espantar


Casas lindas e bem preservadas



Encostas típicas de São Jorge, escarpadas e verdes. Alguém me disse que é o novo 'hot spot' das ondas para o surf, a nível mundial, o Havai à 50 anos atrás.


Aspecto de uma das inúmeras fajãs de São Jorge

Tourada típica de rua


Piscina

A obrigatória saída para o mar com o Espaço Talassa, desta vez contando finalmente com o rei dos mares dos Açores, o cachalote (Physeter macrocephalus), roazes (Tursiop truncatus), golfinho riscado (Stenella coeruleoalba) e golfinho pintado (Stenella frontalis). Alguns tiveram o descaramento de acasalar mesmo à nossa frente!!! Nunca deixam de me espantar estas saídas, pelo fantástico e imprevisível que cada uma pode ser. Dezenas de golfinhos de várias espécies saltaram literalmente em 360 graus à volta das embarcações, em catadupa e sem parar, durante vários minutos!!! Absolutamente incrível!!!





Golfinhos




Cachalotes. Infelizmente não fizemos o avistamento típico da cauda, comportamento apenas observável quando preparam o mergulho em direcção às profundezas para se alimentarem, de lulas. Fica para a próxima...

O inevitável regresso, partindo do aeroporto do Faial, sempre com o Pico como pano de fundo. Até breve!!!

Share this:

CONVERSATION

2 comentários:

Solange Burri disse...

Fantásticas Fotos! Obrigada Luís e benvindo!
Solange Burri

Krystal disse...

Maravilhoso e Inspirador...
Abraço de Luz
Krystal