quarta-feira, 20 de maio de 2015

Workshop de Detergentes e Limpezas Caseiras |13 de junho

A sua casa merece ser cuidada? Filipa Brandão Mira vai ensinar-lhe alguns truques que você precisa de saber para não perder demasiado tempo nas tarefas domésticas, nem gastar muito dinheiro!!! Um workshop espectacular, que pode ser adquirido na loja do Cantinho das Aromáticas.

Orientação: Filipa Brandão Mira (teórico/prático)

Horário: das 10h às 13,00h e das 14,30h às 17,30h, no Cantinho das Aromáticas

Público-alvo: Geral 35,00 €/pessoa, IVA incluído

Número mínimo de participantes: 8


Número máximo de participantes: 25

Para inscrições e mais informações:

Cantinho das Aromáticas  
Rua do Meiral, 508  
4400-501 Vila Nova de Gaia
 
Tel. 227710301

http://www.cantinhodasaromaticas.pt/loja/workshop-loja/3-workshop-de-detergentes-e-limpezas-caseiras13-de-junho/

Conteúdos programáticos:

Introdução
Abordagem sobre todos os produtos que são utilizados nas limpezas e suas características (meia hora);

Dicas de limpeza:

1. Cozinha (meia hora)
Limpeza de eletrodomésticos: Fogão, frigorífico, micro-ondas;
Como fazer detergente manual para a cozinha;
Eliminar odores;

2. Sala (uma hora e meia)
Limpeza de madeiras, móveis e afins ,dicas específicas para cada acabamento;
Como fazer ceras para cuidar dos móveis,
Lavagem de sofás e tapetes;
Limpeza de metais, desde prata, latões e cobres;
Cerâmica, sua limpeza e conservação (que tipo de materiais se podem utilizar);
Limpeza de vidros e janelas;

3. Quarto: 
Dicas de arrumação reciclagem e aroma para armários (meia hora);

4. Casa de banho: 
Dicas de limpeza, pastas contra calcário, quais os produtos (meia hora);

5. Cuidados com as roupas: 
Ataque às nódoas, aromas para a roupa, amaciador caseiro (uma hora);

6. Pavimentos/chãos e superfícies: 
2 ou 3 detergentes para diferentes tipos (meia hora);

7. Como aromatizar a sua casa: 
com óleos essenciais, sprays difusores, pot pourris e bolas aromáticas com cravinho da Índia (meia hora).

Livro Cuidar da Casa

A sua casa merece ser cuidada. Filipa Brandão Mira vai ensinar-lhe todos os truques que você precisa de saber para não perder demasiado tempo nas tarefas domésticas, nem gastar muito dinheiro. 

Divisão a divisão, a autora partilha conselhos de limpeza para todos os tipos de pavimento, da madeira à tijoleira, como tratar os seus móveis mais antigos, limpar pratas ou bronzes, manter os azulejos da cozinha impecáveis, uma casa de banho a brilhar, um armário sempre cheiroso e arrumado, uma roupa cuidada e sem nódoas ou um hall acolhedor.

Filipa Brandão Mira deixa-lhe ainda várias sugestões de decoração, formas de dar cor e cheiro à sua casa e de reciclagem de móveis ou objetos antigos que podem ganhar uma nova vida. Tudo se recicla. Basta vontade e imaginação.

Um livro generoso, bem organizado, feito com muito carinho e dedicação pela Filipa, com quem tive o prazer de trabalhar na Praça da Alegria, da RTP1. Indispensável para quem gosta de uma casa confortável, arrumada e limpa, de uma forma criativa e divertida. Este livro está disponível na loja do Cantinho das Aromáticas.

http://www.cantinhodasaromaticas.pt/loja/livros/cuidar-da-casa/

Wokshop Plantas Bíblicas| 06 de junho

O que eram os lírios-do-vale e a rosa de Sharon elogiados no Cântico dos Cânticos? O que era o maná caído do Céu? Perguntas a que este workshop dará resposta, mediante o estudo das plantas que, sob uma perspectiva simbólica e teológica, são mais frequentemente referidas nas Sagradas Escrituras (Antigo e Novo Testamento). 

Serão apresentadas plantas importantes para a economia de Canaã e que são, também elas, mencionadas na Bíblia e serão analisados alguns exemplos das simbologias das plantas na arte sacra medieval e renascentista. Este workshop pode ser adquirido aqui.

Orientação: Luís Mendonça de Carvalho

Datas: Sábado - 06 de Junho de 2015

Horário: das 14 às 18h, no Cantinho das Aromáticas

Público-alvo: Geral 35€/pessoa, IVA incluído

Número mínimo de participantes:15

Número máximo de participantes: 25

Para inscrições e mais informações:
 

Cantinho das Aromáticas
Rua do Meiral, 508
4400-501 Vila Nova de Gaia
 
Tel. 227710301
mail: geral@cantinhodasaromaticas.pt

http://www.cantinhodasaromaticas.pt/loja/workshop-loja/3-plantas-biblicas-06-de-junho/

Luís Mendonça de Carvalho é biólogo (UTAD), mestre em bioquímica de plantas (Universidade de Lisboa), doutor em sistemática e morfologia de plantas (Universidade de Coimbra), visiting scholar na Universidade de Harvard, professor no Instituto Politécnico de Beja e director do Museu Botânico de Beja. 

terça-feira, 19 de maio de 2015

Boas práticas na aquisição de plantas aromáticas, medicinais e condimentares em viveiro

O número de projetos de produção de plantas aromáticas, medicinais e condimentares (PAM) ao ar livre, em modo de produção biológico (MPB), para posterior secagem, tem vindo a aumentar em Portugal. Como consequência a procura de plantas para a instalação destes cultivos junto dos viveiristas aumentou também, de tal forma que supera neste momento a capacidade instalada no país para dar resposta à procura. 
 
Surgem entretanto novos viveiristas, oferecendo plantas a preços muito baixos, como forma de se tornarem competitivos, mas ainda sem a experiência necessária para oferecerem plantas e serviços com elevada garantia e qualidade. 

Desta forma torna-se imprescindível ao promotor obter material vegetal de qualidade irrepreensível para que o seu projeto seja bem-sucedido, já que o mercado é extremamente exigente no que respeita à correta identificação das espécies cultivadas.

Pureza varietal das plantas a adquirir

A escolha do material vegetal assenta, na maioria dos casos, no menor preço de mercado, sendo que a maior parte dos promotores não dedica especial atenção à pureza varietal. Infelizmente é cada vez mais frequente encontrar novos projetos plantados com espécies erradas ou híbridos muito heterogéneos obtidos por semente, com pouco ou nenhum valor comercial. 

O custo de uma planta propagada por semente é normalmente muito inferior ao custo de uma planta propagada por estacaria ou divisão. Por outro lado, a pureza varietal da maior parte das plantas propagadas por estacaria/divisão é muito superior. 

Nenhum híbrido deverá ser propagado por sementeira (ex: tomilho-limão/Thymus x citriodorus; Hortelã-pimenta/Mentha x piperita), pois a probabilidade de vir a gerar populações em cultivo muito heterogéneas é enorme, com todos os problemas que isso implica, quer ao nível da produtividade, quer da qualidade obtida.

É fundamental garantir que estamos a adquirir as espécies pretendidas e não espécies semelhantes. É vulgar encontrar plantações de erva-príncipe (Cymbopogon citratus) uma gramínea tropical difícil de obter por semente, em que na realidade está plantada uma espécie similar (C. flexuosus; C. nardus; C. winterianus), mas cujas propriedades são absolutamente distintas das que o mercado pretende.

Também em cultivos de estragão-francês (Artemisia dracunculus) é vulgar encontrar estragão-russo (Artemisia dracunculoides), este facilmente obtido por semente, mas sem cheiro, sem sabor  e sem valor comercial, ao contrário do primeiro, muito aromático, mas só obtido por estacaria, sendo o seu enraizamento difícil de obter com grandes percentagens de sucesso.

Não são autorizadas em MPB plantas provenientes de viveiros convencionais, obtidas por micro-propagação (ex: culturas in-vitro) nem plantas geneticamente modificadas. A utilização deste tipo de plantas pode pôr em risco todo o projeto.

Considero fundamental a visita do promotor aos viveiros selecionados aquando da consulta de preço, quer sejam em Portugal ou num outro país, de forma a poder verificar com os seus próprios olhos todas as condições de produção.

É crucial assegurar que, posteriormente à aquisição de plantas, continuará a existir uma ligação com o viveirista, quer seja no apoio e esclarecimento de todas as dúvidas que surgirem, quer seja na ajuda ao escoamento da produção. 

Muitos dos novos agricultores já instalados são bombardeados com frequentes dúvidas para as quais é impossível ter disponibilidade para responder.

Aquando da seleção do viveiro para a aquisição das suas plantas, garanta que consegue as melhores condições de pós-venda, para que a relação com o viveirista não termine no momento em que pagou as plantas.

Leia com atenção as condições de venda do viveirista. Lembre-se que, ao encomendar as suas plantas, está a formalizar um contrato de compra e venda, regulado pela legislação portuguesa.

De seguida, enumero um conjunto de procedimentos que considero fundamentais para a correta aquisição de material vegetal, fundamental na obtenção de colheitas de grande qualidade.

Seleção dos viveiros a contactar

Tudo começa com uma prospeção de mercado, na qual o promotor do projeto de produção de PAM fará uma consulta de disponibilidade e preço das plantas que pretende adquirir. Tendo em conta a legislação, a certificação MPB, deverá ter o cuidado de fazer uma rigorosa seleção, de forma a não cometer erros nesta fase.

Os viveiros a contactar para a consulta e aquisição de PAM devem cumprir os seguintes requisitos:
  • Ter atividade legalmente constituída para o efeito; 
  • Ter licença de viveirista/passaporte fitossanitário; 
  • Estar certificado para o modo de produção biológico, como viveirista; 
  • Ter outras certificações que atestam a qualidade de produção ou origem do material genético;
  • Ter pés-mãe dos quais são provenientes quer sementes, quer partes de plantas usadas na propagação das plantas que comercializa;
  • Poder receber visitas do potencial comprador e toda a estrutura produtiva ser observada pelo mesmo.

Deverá o promotor do projeto enviar um mail aos diversos viveiristas que selecionou, com o pedido de orçamento, onde constem as seguintes informações:
  • Dados pessoais (ex: nome, morada completa, contactos);
  • Nome vulgar e o nome científico das espécies que pretende adquirir (ex: Tomilho-vulgar/Thymus vulgaris);
  • Quantidades exatas de plantas das quais pretende cotação, por espécie;

Deverá solicitar ainda as seguintes informações:
  •  Quais as plantas propagadas por semente e quais as plantas propagadas estacaria/divisão/enxertia. 
  • Condições comerciais; 
  • Calendário de produção;
  • Prazos estimados de entrega; 
  • Condições de transporte até às suas instalações.

Calendarização da entrega

A maior parte das plantas propagadas por estacaria/divisão só podem ser multiplicadas a partir do momento em que apresentam crescimentos com tamanho suficiente para serem cortados ou divididos com o objetivo de enraizar. Isto só acontece para a maioria das espécies, a partir de finais de Março, meados de Abril, de acordo com as condições climáticas do ano. 

O que significa que a entrega de plantas propagada por estacaria/divisão só pode ser feita a partir de finais de Maio, meados de Junho e durante todo o Verão, até Setembro para espécies vivazes (ex: hortelã-pimenta, estragão-francês) ou Outubro, para espécies perenes (ex: tomilho-limão, limonete).

As plantas propagadas por sementeira ficam normalmente disponíveis mais cedo, pelo que convém acordar com o viveirista a entrega destas plantas em primeiro lugar.

Não se esqueça que, ao formalizar a encomenda está a aceitar e concordar com as condições de venda do viveirista, como acontece em qualquer outra relação comercial.

Formalização da encomenda

A maior parte dos viveiros aceita a encomenda de plantas com uma percentagem (%) do valor total da mesma, como entrada. A encomenda deve ser feita com a maior antecedência possível, em relação à data prevista para a plantação. A entrega de plantas é normalmente faseada, de acordo com a disponibilidade das mesmas, resultante da programação do viveirista e do acordo, entretanto definido com o promotor do projeto, para a entrega de plantas.

É frequente haver pedidos de alteração de espécies ou do número de plantas por espécie, depois da encomenda ser formalizada. O viveirista não é legalmente obrigado a fazer essa alteração, pelo que o promotor deverá estar seguro das espécies e da quantidade de plantas que pretende adquirir no momento da formalização da encomenda.

Num mau ano agrícola, o viveirista poderá não conseguir cumprir com a entrega da totalidade das plantas na calendarização pré-estabelecida, o que normalmente surge salvaguardado nas condições de venda que o promotor aceitou ao formalizar a encomenda de plantas. Cabe às partes o bom senso de perceber e ultrapassar esta situação. Cabe relembrar ao promotor do projeto que também ele será agricultor, exposto às mesmas dificuldades que o viveirista enfrenta na gestão do aleatório, do clima às pragas e doenças e outras catástrofes naturais.

Receção das plantas

Cabe ao promotor reunir todas as condições necessárias para receber as plantas nas datas previstas de entrega. É fundamental assegurar na exploração uma zona com condições mínimas de rega, luz e proteção contra animais e outros potenciais invasores, que funcione como local temporário onde as plantas vão permanecer, após a sua entrega e até serem plantadas.

Qualquer reclamação devidamente fundamentada deverá ser feita nas 24h posteriores à receção das plantas. Findo o prazo, as plantas ficam por conta e risco do cliente. O cliente é o único responsável pela manutenção das plantas a partir do momento em que as recebe.

A agricultura é para cavalheiros, senhores e senhoras com um estilo de vida peculiar, que fazem jus à sua palavra. Trabalhe sempre com pessoas de palavra e mantenha a sua. Faça disso uma questão de honra.

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Dia Internacional do Fascínio das Plantas

Hoje é o dia internacional do fascínio das plantas, um evento comemorado por toda a Europa, que visa juntar todos os que sentem fascinados pelas plantas, pelas ciências que as estudam, pela agricultura...

Partilho convosco uma foto junto dos meus dragoeiros (Dracaena draco) árvores raras e ameaçadas, pelas quais sinto um enorme fascínio...

Isto num dia em que acordamos todos num país que mais parecia um miserável filme de ficção científica, um jardim zoológico decadente, recheado de animais ferozes, cada vez menos fascinante, onde os bons dos portugueses são cada vez mais como os meus dragoeiros...

sexta-feira, 15 de maio de 2015

Workshop Produção de Ervas Aromáticas Maio 2015

No fim de semana de 30 e 31 de Maio de 2015, leccionarei um workshop vocacionado para potenciais produtores, onde poderá aprender todas as técnicas utilizadas no cultivo, colheita, secagem e armazenamento/embalamento de ervas aromáticas medicinais e condimentares, ficando cada participante com as ferramentas indispensáveis para dar início ou continuidade a um projecto profissional de agricultura nesta área. Para adquirir o workshop, clique aqui.

http://www.cantinhodasaromaticas.pt/loja/workshop-loja/workshop-producao-de-ervas-aromaticas-30-e-31-de-mai-2015/

Orientação: Luís Alves (teórico/prático)

Datas: Sábado e Domingo - 30 e 31 de Maio de 2015

Horário: das 10h às 12:30h e das 14 às 17h, no cantinho das aromáticas

Público-alvo: Geral 300€/pessoa, IVA incluído

Número mínimo de participantes: 8

Número máximo de participantes: 25

Para inscrições e mais informações:
 

Cantinho das Aromáticas
Rua do Meiral, 508
4400-501 Vila Nova de Gaia
 
Tel. 227710301
mail: geral@cantinhodasaromaticas.pt

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

APRESENTAÇÃO: Análise do programa, expectativas.

AGRICULTURA BIOLÓGICA
Conceitos, princípios e objectivos;
Fundamentos e práticas em produção de PAM.

CULTIVO DE PLANTAS AROMÁTICAS E MEDICINAIS (PAM)
As principais plantas aromáticas e condimentares a cultivar;
Sistemas de cultivo;
Preparação de solo;
Rega;
Pragas e doenças;
Mão-de-obra.

MÁQUINAS, FERRAMENTAS E UTENSÍLIOS
Principais máquinas, ferramentas e utensílios necessários.

COLHEITA, SECAGEM E ARMAZENAMENTO
Calendário de colheitas;
Como secar correctamente;
Armazenamento.

PROCESSAMENTO
Aspectos fundamentais no processamento primário.

MERCADOS
Estrutura de Mercado das PAM;
Medidas ambientais relacionadas com o comércio;
Análise de oportunidades de mercado;
Termos do comércio;
Preços e margens;
Visita a feiras internacionais.

COMPONENTE PRÁCTICA NO EXTERIOR
Passeio pelo jardim produtivo;
Observação de várias práticas de campo (colheita, podas);
Observação de práticas de secagem e processamento.