Voltei de Angola!!!

Angola, província do Kuanza-sul, Julho de 2011. Uma equipa de 2 portugueses partiu para a região de forma a participar em acções de formação de docentes agrónomos angolanos, provenientes de várias escolas agrícolas (institutos médios agrários). Os objectivos foram a partilha de conhecimentos e a motivação positiva dos participantes, que ensinam nas suas escolas os futuros investidores na agricultura angolana. Ficam aqui algumas das fotografias desta fantástica viagem.

Instituto Médio Agrário do Waku Kungo

Foi aqui que demos parte das aulas

Luís Francisco, o director da escola

Alunas (queridas)

Uma lança em África

Aula prática e um dos meus melhores alunos

Percebeste?!

Ganda projecto... 83 milhões de dólares de investimento, mas a coisa tá parada... Os israelitas foram-se embora...

Para grandes extensões, grandes máquinas... Esta propriedade tem 5000 hectares...

Já cortou mas não tem cortado

Abrigos de design interessante para hortícolas

Enfardar é preciso

Campo de produção de cana-de-açúcar

Um dos poucos jardins da região, colonial

E esta, hein??!!!

Olhei pa trás, era só poeira...

Tudo se dá, tudo pega de estaca

A israelita

O bólide que nos transportou o tempo todo

Coimbra, o nosso pequeno grande motorista

Comitiva local que partiu em busca dos hipopótamos. A chegar ao Keve, o rio onde estes voltaram a aparecer.

Quem são estes?!!

Quem são estas pessoas?! Deixa-me ir ver melhor...

Bicla colonial. Sabiamos mesmo fazê-las!!!

Mala = Transporte gratuito

A equipa de portugueses em momento de descontracção junto ao rio Keve à espera da família de hipopótamos

Olha um hipopótamo lá atrás... lá ao longe...

Espera paciente das crianças locais

Penteado à Hulk, em versão Kuanza-sul

...and I will show you the honey!!!!!!!

Domínio dos hipopótamos

Espanta-hipopótamos. Dispositivo artesanal que serve para manter os hipos afastados das redes dos pescadores

O que era para ser um momento privado e mágico acabou por se transformar num acontecimento público... Não se pode ir a lado nenhum...

O soba a usar a ancestral técnica de bater com uma vara de madeira gerando vibrações para atrair os seus adorados animais. Não funcionou, éramos muitos...

Pegadas, havia muitas. São animais ungulados, tal como os porcos

Aproveita-se e faz-se alguma higiene intima!!!

Os sobas, chefes tribais, que fizeram uma grande festa com a nossa chegada

Soba e filho de soba

Um bagre, uma cristal e uma africana. Será preciso muito mais?!!!!!

O administrador da região, à esquerda, a organizar a comitiva

A foto família

O bolo

Para muitas crianças, uma pequena fatia deste bolo foi algo absolutamente incrível!!! Pude ver expressões semelhantes às de um miúdo ocidental quando no Natal recebe o brinquedo dos seus sonhos

Há para todos!!! De notar que a organização social desta tribo dita que as raparigas e os rapazes não se podem misturar

Aqui estão elas, à espera da sua vez, ordeiramente. Aqui ainda não se queimaram sutiãs. Ainda bem.

Sempre a assumir uma posição discreta.

A alegria contagiante dos festejos organizados para agradecer a nossa presença

Entrada e saída dos hipopótamos no rio Keve

Escavado pelos próprios e talvez por um ou outro crocodilo!!!

Um clássico

Hipopótamo avô de todos os outros. Teve uma vida boa...

A produzir lama para fabricar tijolos de adobe

Uma breve descrição do processo

Com muita palha misturada, para dar consistência

Molde para o fabrico de tijolos de adobe

Tijolo de adobe fresco

A secar ao sol

Tijolos de adobe já secos

Amei, isto sim é que é construção sustentável!!!

O início de uma construção

Bandeira hasteada

Armazém de cereais, com um sistema primitivo anti-intrusos

O amor, uma casa e uma palmeira... Será que a vida podia ser só isto?! às vezes podia mesmo...

No final de um dia a fazer tijolos de adobe para a casa nova porque a família cresceu, aproveita-se e lava-se o rebento!!!

Regresso a casa

Aqui apanhei um gigantesco susto!!! Este ia-me entrando pela porta do carro adentro!!!

Máquina combinada de lavar e secar roupa

Já foi um dos maiores portos da África austral

Bar Zulo, em Lobito

Kalulu de peixe seco, com funge e feijão. Uma delícia!!!


O atlântico em Benguela (e eu dentro dele!!!!!!!)


Quentinha!!!

Ali havia um pontão...

Não há muitas coisas na vida como o por-do-sol e o cheiro da terra em África

A grande velocidade e a lumix sempre a bombar pixeis

Huuummmmmm.........

Para quê gastar uma fortuna a abrir uma loja de móveis gigantesca?! É mesmo ali na estrada que se monta a montra!!! Há pa todos os gostos, cores e feitios!!!!

Salinas

Presépio/cascata africana


Ou então uma boa diarreia!!!

Ora agora é argila... 

Ora é cascalho. Este país parece um gigantesco estaleiro!!!


O serviço de engraxa, sempre pronto e disponível em todas as ruas de qualquer cidade angolana!!!


Uma escola...


Original

Não sei se gosto mais da Epiderm à esquerda ou da Monalisa à direita... Uma é loira outra é morena... Hummmm, onde é que eu já ouvi isto?!!! O que será uma farmácia de 2ª classe?!!! Não tive tempo para esclarecer...

Um prático e acessível vendedor de ratos, junto à estrada. Assado em forno a lenha, com a técnica colonial do leitão da bairrada. O nosso motorista não resistiu a este pitéu!!! Adorei a pergunta: É de casa ou do campo? É que se for rato de casa não quero!!!! Pelos vistos o rato verdadeiramente gourmet é mesmo o que pasta livremente pelas vastas florestas...

O que é que está a acontecer?!

Neste momento preciso, o elevador que existe na minha traqueia parou já cá em cima junto à boca, com o senhor Gregório a milímetros de despejar todo o almoço que estava já a repousar lá em baixo no estômago... Foi por pouco...

Mulher africana, é de tranças!!! Detestei esta nova moda trazida pelo crescente consumo de telenovelas brasileiras de implantar cabelo (que por sinal não vem do Brasil como toda a gente pensa, mas sim da Índia).

Rio Keve

Levou com uma bomba em cima

Simplesmente...

Demais, não é?!

Foi só mesmo no fim, o vinho tinto. De resto, a cerveja angolana dominou a ementa.


A encerrar a formação

Share this:

CONVERSATION

3 comentários:

Rosarinho disse...

Uau ..deve ter sido enriquecedor!

Cristina Lopes disse...

Muito obrigada pela viagem que me permitiu fazer a terras desconhecidas para mim. Excelente reportagem fotográfica!

Aléxia disse...

Olá Luís, de facto deve ter sido uma experiência fabulosa. Mas tenho uma pergunta para si...diga lá a verdade, não se sentiu tentado a experimentar os ratos do campo?? LOL. Obrigada por esta partilha de momentos tão especiais e fantásticos.
Aléxia Fernandes