Regresso ao campo - documentário da RTP sobre os neo-rurais em Portugal

Como é a vida dos neo-rurais portugueses? Porque se decide ir viver para o campo?... Um excelente documentário de Paulo Silva Costa, na RTP1.
 

“As pessoas saíram das áreas rurais à procura de trabalhos menos violentos do que aqueles que tinham, melhores e mais regulares remunerações e sobretudo, de melhores oportunidades para os filhos. Ir para a cidade representava uma ascensão social.”.

“O mundo rural nos últimos 30 anos mudou, com a introdução de máquinas na agricultura, com a Internet, com os subsídios comunitários, que permitiram valorizar actividades que tinham deixado de ter valor”.

“Os novos rurais são, em certa medida, os filhos e os netos dos que partiram no êxodo rural. Como os seus pais e os seus avós, eles vão à procura de mudar de vida”.

“Vão procurar modos de vida em que possam controlar o seu tempo e o seu ritmo, possam desenvolver actividades económicas em equilíbrio com a natureza e com o ambiente, vão à procura de estilos de vida mais solidários, de maior entre-ajuda, mais humanos, acima de tudo, são pessoas com uma cultura de território, vão à procura de um sítio específico ou de um lugar onde possam ser felizes”, palavras da geógrafa Teresa Alves, professora do Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa.

Valorizaram-se também socialmente modos de vida desprezados num passado recente. E iniciou-se outra migração interna, a mudança para o campo dos ex-citadinos...

Agora, os geógrafos até já distinguem diferentes grupos destes "neo-rurais": há os que partem por motivação ecológica, os que na reforma regressam à terra natal, aqueles que se dedicam ao tele-trabalho, e até os desempregados por causa da crise...
 

Share this:

,

CONVERSATION

1 comentários:

silvia disse...

Muito obrigada pela oportunidade de ver a reportagem da RTP que não tinha visto. Por pesquisa ''plantas'' encontrei o vosso blog. Muitos parabéns pelo trabalho desenvolvido.
Neste momento estou desempregada (+ uma licenciada desempregada) e tenho terrenos e não sei o que poder plantar, fora as culturas normais de milho, batata e vinha ( bairrada), um bem haja ás pessoas que conseguem fazer algo para dinamizar a agricultura em Portugal.