A Produção em Viveiro de Plantas Aromáticas, Medicinais e Condimentares – Cantinho das Aromáticas – 6 anos de experiência

A Península Ibérica é um dos maiores centros de diversidade de plantas aromáticas e medicinais do mundo. No nosso país é ainda prática corrente a colecta de populações espontâneas destas plantas, o que tem vindo a contribuir para a degradação de ecossistemas e o gradual desaparecimento de algumas espécies. Nos países desenvolvidos as normas de qualidade e os custos de mão-de-obra tem contribuído para o fim da colecta local de PAM, dando lugar à sua importação de países em vias de desenvolvimento.
No início deste século, começou a ter-se em conta toda uma série de novas atitudes com o planeta. Cada vez um maior número de pessoas procura métodos naturais de controlar pragas e dedica o seu tempo a analisar os benefícios de técnicas biológicas e sustentadas de manutenção. Há um ressurgimento da concepção de espaços verdes fundamentada em modelos naturais. Um jardim baseado nestes modelos é generoso com a natureza e menos prejudicial para os recursos naturais. A sua manutenção é mais sensata porque as plantas autóctones estão bem adaptadas às condições ecológicas locais e normalmente são mais resistentes a pragas e doenças.
Por outro lado, a atracção pelas PAM reside em parte na sua utilização, simbolismo histórico e fragrância. A grande quantidade de espécies existente, arbóreas, arbustivas e herbáceas, torna-as valiosas também como plantas ornamentais, apropriadas quer ao uso formal quer ao informal.
Quase todas estas plantas apresentam características múltiplas, em função da sua utilização, possuindo valor ornamental, pela diversidade de cores, formas, texturas, portes, cheiros, floração prolongada, além de que podem ser utilizadas como condimentares ou na preparação de infusões aplicadas a terapias diversas. Um jardim de PAM, quer seja grande ou pequeno, na cidade ou no campo, é um espaço onde podemos por todos os sentidos à prova, dada a complexidade de sensações que nos transmite.
Pode transformar um lugar inóspito numa zona verde maravilhosa, reunindo vida silvestre e produção de alimento, assim como despertar interesse pela sua utilização agrícola. É uma forma excelente de criar uma envolvente natural, em contraposição com a paisagem comum, baseada num modelo de mentalidade conformista e dominadora do meio. A destruição da vegetação está a relegar a sociedade para um escasso contacto com o meio ambiente, trazendo consigo consequências irreversíveis a curto/médio prazo.

O viveiro

Neste contexto surge o Cantinho das Aromáticas, identificando uma oportunidade de mercado, que consistia na ausência de um viveiro especializado na produção deste tipo de plantas no nosso país. Apesar de estar situado em pleno espaço urbano, está inserido numa propriedade com 8 ha, onde se pratica agricultura biológica e pecuária, o que lhe confere um interesse estratégico e uma surpresa para todos aqueles que o visitam. O conceito é raro no nosso país, defendido por muitos há vários anos, a agricultura em espaço urbano. Nada é importado, tudo é produzido na própria exploração, usando factores de produção autorizados em agricultura biológica. Aberta ao público e a visitas organizadas, toda a linha de produção é visitável, contribuindo também, à sua escala, para uma sensibilização mais vincada de todos os interessados. Com uma organização regular de workshops sobre o tema PAM, pretende-se transmitir vários conhecimentos sobre a manutenção e utilização das plantas, num contexto que envolve o auto cultivo, fundamental para cativar e envolver as pessoas nestas matérias.

Pés-mãe

A instalação de um jardim de pés-mãe permite que todo o material produzido seja proveniente da própria exploração, algo que sempre foi desejado desde o início do projecto. Assim, uma área coberta com 600 m2 alberga a quase totalidade da colecção de plantas produzidas, cumprindo esta área três funções fundamentais: mostruário da colecção, importante para todos os clientes e visitas; zona de recolha de sementes para posterior propagação; zona de recolha de propágulos para posterior propagação. Além disso, esta área alberga constantemente novas espécies e variedades que entretanto adquirimos, servindo também de área de teste e ensaio para novas espécies eventualmente a inserir no esquema de produção.
Numa outra área, um talude inclinado e pedregoso, instalou-se um jardim de plantas mediterrânicas, de forma a demonstrar que um regime de baixa manutenção é possível nas nossas condições. Neste espaço o solo não foi fertilizado, e é desprovido de sistema de rega. Também aqui é recolhido material para propagação.

Propagação

Numa estufa com a última tecnologia em sistemas de produção, é assegurada a propagação das plantas, que é feita essencialmente por estacaria, embora muitas espécies também se propaguem por divisão ou sementeira. É possível controlar temperatura, humidade relativa, arejamento, exposição e rega.

Engorda

A engorda de plantas é feita no exterior, para que estas fiquem aclimatadas desde muito cedo, fundamental para que posteriormente se possam adaptar facilmente aos novos locais de plantação e assim contribuir para o aumento da taxa de êxito.

Comercialização

A venda de plantas é feita por ordem de grandeza, para outros viveiros e hortos, que depois as revendem, empresas de jardinagem, câmaras e outras instituições públicas e privadas, público em geral, quer no viveiro, quer através da loja virtual.

Conclusão

É curioso observar os diversos destinos que as plantas têm tomado ao longo destes anos: utilizadas por particulares para instalar o seu próprio cantinho das aromáticas, nos seus jardins ou hortas, ou simplesmente num vaso ou floreira, trazendo aos espaços algo mais do que simples plantas ornamentais: cheiros, sabores, sensações. A redescoberta de muitas espécies, menos comuns em estado espontâneo, é também um factor que condiciona favoravelmente a aquisição das plantas.
Em espaços públicos, substituindo lentamente os já cansativos conjuntos de plantas que invariavelmente são utilizadas, de norte a sul do país, tornando os jardins repetitivos e com falta de imaginação, muitas vezes também com elevada manutenção e custos equivalentes. Quando estas plantas são introduzidas, os custos de manutenção baixam sempre.
A procura de PAM por agricultores que querem instalar um campo de produção tem também aumentado, bem como a procura de plantas para situações específicas, tais como zonas dunares, para instalação e recuperação das mesmas.
O desenvolvimento de uma plataforma virtual onde está incluída uma loja on-line, pioneira neste ramo de negócio no nosso país, permite levar plantas e produtos directamente a casa das pessoas, aliando as novas possibilidades tecnológicas ao comércio e distribuição.
Interessa salientar que a produção e venda de PAM tem sofrido acréscimos de ano para ano, enfrentando como principais obstáculos a falta de ‘cultura’ de plantas e de hábitos de compra de espécies alternativas que existe no nosso país, bem como um fraco domínio dos conhecimentos técnicos que envolvem a sua manutenção, fundamental para aumentar a qualidade e longevidade das plantas em cultivo.

Share this:

,

CONVERSATION

3 comentários:

Anónimo disse...

É de se tirar o chapéu a tão grande diversidade de plantas.
Faço agricultura biologica desde 94
e pela primeira vez vejo que alguem
agarrou nas aromáticas,medicinais e condimentares de uma forma profissional.Vou certamente ser um cliente,pois sou dedicado a este tema.
alenbio@hotmail.com

Redondo-Alentejo-Portugal
alenbio.blogspot.com

João Carlos Ferreira disse...

Luis...
Parabéns por este espaço magnifico... Certamente vai ser um local de culto para os apaixonados, como eu, pelas Plantas Aromáticas.
De resto foi o Luis o meu primeiro mestre, nos cursos de jardinagem do Jardim Botânico da Ajuda.
Por aqui circularei assiduamente!
Boa Sorte!

BicMargarida disse...

o Cantinho das Aromáticas é um dos sites mais completos em lingua portuguesa que eu já entrei. E olha que eu já entrei diversas vezes.

Parabéns a vocês por este trabalho maravilhoso!!!


Fabiane Prado Bic

Brasília, Brasil